sábado, 4 de outubro de 2014

SEALAND: O MENOR PAÍS DO MUNDO?


Por: Lawrence Mayer Malanski


A Europa é um continente relativamente pequeno se comparado às áreas de outros continentes e que possui um grande número de países. Se somássemos as áreas de todos os territórios europeus, com exceção da Rússia, o valor seria próximo ao do território brasileiro. Como comparação, alguns países europeus se aproximam em área de alguns estados brasileiros: a França, com 543.965 km² é um pouco menor que o Estado do Bahia, enquanto a Dinamarca com 43.094km² é um pouco menor do que o Estado do Rio de Janeiro.

No entanto, alguns países europeus são ainda menores. San Marino, um enclave no território italiano, tem apenas 61 km² de área e é um pouco maior do que o bairro Cidade Industrial, o maior da cidade de Curitiba. A Cidade do Vaticano, com apenas 0,44 km², é exatamente a metade do bairro Alto da Glória, o menor de Curitiba.  Além deles, há ainda na Europa Malta (316 km²), Liechtenstein (160 km²), Andorra (468 km²) e o Principado de Mônaco (2 km²)

O caso mais extremo de micro países é o de Sealand, uma antiga fortificação militar naval abandonada no Canal da Mancha, entre a ilha da Grã-Bretanha e o continente Europeu com incríveis 0,055 km². Desde 1967, quando Sealand foi ocupada por Paddy Roy Bates (1921-2012), ex-major britânico que se proclamou príncipe de Sealand, tenta-se tornar a fortificação um país. Por lá existe dinheiro próprio (o Dólar de Sealand), selos, hino nacional, bandeira, constituição, passaporte, príncipe e até seleção de futebol (já que um estádio ou mesmo um gramado não cabem no “país”, a seleção sealandesa é obrigada a jogar em outros lugares).


Figura 01: Localização de Sealand. Fonte: www.sealandgov.org
 
Figura 02: Seleção de futebol de Sealand. Sua primeira vitória foi contra a seleção da ilha Alderney por 2 a 1. O governo de Sealand usa o futebol como forma de divulgar e conseguir apoio para o ser reconhecido como um país.Fonte: http://sealandfootball.dk

Contudo, Sealand não é reconhecido oficialmente como um país pela Organização das Nações Unidas e por nenhuma outra nação. Historicamente, a fortificação pertence ao Reino Unido, mas está localizada fora dos seus domínios territoriais. O governo de Londres já tentou expulsar a família Bates de Sealand, mas não obteve êxito devido a este fator. Também, a plataforma está fora dos domínios territoriais da França, o que faz de sua localização uma “terra de ninguém”.
A população oficial de Sealand é de 27 pessoas, mas nem todas moram lá. As pessoas que moram ou passam uma temporada se alojam em barracões de aço e só podem chegar à região de barco ou helicóptero.

Figura 03: Todo o território de Sealand e, ao centro, o atual príncipe Michael Bates. 


Em 2006 houve um grande incêndio na fortificação que destruiu boa parte do que existia no local. Em 2007, o príncipe de Sealand colocou o “país” a venda por um preço de 1 milhão de Libras. Os criadores do website The Pirate Bay demonstraram interesse em comprá-lo para instalar seus servidores e conseguir um pouco de tranquilidade longe de ações judiciais. No entanto, Sealand não foi vendida.

Recentemente, outra tentativa de criação de um micro país foi divulgada. Na África, entre o Sudão e o Egito, o americano Jeremiah Heaton descobriu uma região com cerca de 2.000 km² que não pertence a nenhum destes países e decidiu reivindicá-la para que sua filha, de sete anos, seja a princesa, como num conto de fadas.  Jeremiah espera obter o aval do Sudão e do Egito, para reconhecer seu reino. Ele acredita que seu pedido será atendido, uma vez que as intenções da princesa Emily são as mais humanitárias possíveis. Segundo ele, a filha está preocupada com a situação das crianças e da fome na região.

Para saber mais:

Site do Governo de Sealand: http://www.sealandgov.org

Referências: 

BBC. Homem “toma posse” de território para “fazer da filha uma princesa”.
Disponível em:
Acesso em: 30 jul. 2014.

SEALAND. The history.
Disponível em: <http://www.sealandgov.org>.
Acesso em 30 jul. 2014.



Share:

0 comentários:

Postar um comentário