quarta-feira, 25 de setembro de 2013

John Nash: Uma mente brilhante!

Por Ednilson Rotini



Mudando um pouco de ares, este texto apresentará uma breve resenha de um livro muito conhecido e premiado e que deu origem ao filme que leva o mesmo nome. Estou falando de Uma Mente Brilhante, escrito pela jornalista e economista Sylvia Nasar. 

Este livro é o relato de uma trajetória conturbada, marcada por momentos de grande produção intelectual e criatividade e pela luta contra a esquizofrenia, de um grande gênio da Matemática do século XX, John Forbes Nash Jr. 

John Nash, aos 21 anos de idade já havia conquistado os primeiros progressos na teoria de jogos (uma das áreas da Matemática) e, mais tarde, aos 65 anos recebeu o Prêmio Nobel de Economia. Outras façanhas estão em seu currículo, como uma entrevista com Albert Einsten, uma bolsa de pós-graduação no famoso e cobiçado Instituto de Estudos Avançados da Universidade de Princeton nos Estados Unidos e algumas soluções dos mais complexos enigmas da Matemática.

Nash se torna famoso ao criar uma teoria que o contrapõe ao então considerado o papa da Economia, Adam Smith e a sua convencional visão sobre a competição, que era compreendida por ele como um incentivo para que o indivíduo atingisse sua meta. Nash acreditava que era fundamental, para isso, a participação do coletivo, pois assim todos poderiam alcançar o objetivo desejado.

Este cientista de inteligência brilhante apresentava, ao mesmo tempo, uma mente perturbada, diagnosticada pela medicina como portadora de esquizofrenia. Aos 31 anos, Nash sofria seus primeiros colapsos e, assim, perdia-se em meio a vozes que o guiavam em delírios e alucinações. Por diversas vezes foi internado em várias clínicas, algumas delas compulsoriamente.

A autora Sylvia Nasar documentou muito bem sua narrativa, recorrendo a fontes primárias e a entrevistas com várias pessoas que conviveram com Nash, que conhecem bem sua obra e os detalhes de sua doença. Vale ressaltar que a escritora conseguiu depoimentos do próprio Nash e de sua esposa Alicia Lard Nash.
A narrativa não se detém em complexas explicações de suas teorias matemáticas, mas flui naturalmente, tornando-se acessível a qualquer leitor, embora às vezes seja um pouco detalhista demais, contribuindo para que esta obra seja um pouco extensa. Mesmo assim, vale a pena mergulhar na história deste gênio nem sempre compreendido

Este livro foi adaptado para o cinema, em um filme dirigido por Ron Howard e protagonizado por Russell Crowe, rendendo 4 Oscars, entre eles, melhor filme e direção. Apesar de ser recriação da vida atribulada e iluminada de John Nash, com algumas liberdades de ficção justificáveis, as excelentes interpretações e um roteiro bem equilibrado entre o que é real e o que é ficção tornaram esse filme um dos grandes sucessos de público e de crítica. 

Share:

0 comentários:

Postar um comentário