quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Senhores do Mesozóico: Pycnonemosaurus!

Por Marcelo Domingos Leal

O Pycnonemosaurus nevesi do grego pycnós, “denso”, nêmos, “mata", significa lagarto de mata densa. Este nome não faz referência ao seu hábitat, já que dinossauros de grande porte preferiam pastagens abertas à matas fechadas. Ele faz referência ao local onde o animal foi encontrado, uma área de mata densa no Mato Grosso. O nome nevesi é uma homenagem ao advogado Iedo Batista Neves, que incentivou o trabalho de pesquisa referente a esta espécie. O Pycnonemosaurus foi um dinossauro terápode, bípede e carnívoro, classificado no grupo Abelisauridae. Foi descoberto em 1950 por um grupo de trabalhadores da Fazenda Roncador, próxima à cidade de Paulo Creek no Mato Grosso, Norte do Brasil. O local onde o fóssil foi encontrado faz parte da Bacia Bauru, formação Marília ou Adamantina. Seu esqueleto está exposto no Museu de Ciências da Terra do Departamento Nacional de Produção Mineral, no município do Rio de Janeiro. Para a identificação do animal, os cientistas contaram com poucas partes como vértebras caudais, dentes isolados, púbis e tíbia. Viveu durante o Cretáceo Superior, há 70 milhões de anos, na Era Mesozóica.

Foi um dinossauro de proporções medianas, com no máximo 7 metros de comprimento e 3 m de altura. Sua massa é estimada em 2 toneladas. É um dinossauro da família dos terápodes, possuindo então, algumas características comuns deste grupo de animais: Cabeça grande, com pescoço curto e musculoso, praticante do bipedalismo (bípede), dentes fortes e afiados, garras afiadas nas terminações de seus artelhos, olhos voltados para frente e cauda não tão longa mas musculosa. Seus hábitos alimentares incluíam a ingestão única e exclusiva de carne, sendo que, alguns cientistas cogitam a possibilidade de serem predadores do Maxakalisaurus topai, um saurópode também encontrado no Brasil.


Para saber mais:

Site: http://www.latec.ufrj.br/dinosvirtuais/catalogo/pycnonemosaurus_nevesi.html
       
Livro: O Guia Completo dos Dinossauros do Brasil

Share:

0 comentários:

Postar um comentário