terça-feira, 4 de setembro de 2012

A Terra vista do céu: novas tecnologias no ensino das Ciências da Terra

Por Rafael da Silva Tangerina - Geografia Parque da Ciência

Com a evolução dos aparatos tecnológicos a partir dos lançamentos dos primeiros satélites artificiais, o (re) conhecimento do espaço terrestre vem merecendo novas abordagens. As imagens de satélite, um dos principais produtos do sensoriamento remoto, estão cada vez mais presentes em diferentes áreas, especialmente como ferramenta para o planejamento ambiental, ações que envolvem implicações socioeconômicas e atividades ligadas à geografia como um todo. São demandados profissionais com aptidão para utilizar as imagens de satélite através de qualificada interpretação das mesmas.

No que tange ao aspecto educacional, destaca-se que o software Google Earth continua a atrair a atenção dos jovens, graças à sua capacidade de disponibilizar as informações geográficas do mundo em apenas alguns cliques. Por todo o mundo, educadores criaram atividades pedagógicas estimulantes que, para além do ensino da geografia, permitem ensinar literatura, história, matemática, ciências da natureza e muito mais. O Google Earth para a Comunidade de Educadores disponibiliza sugestões e truques para utilizar o software como uma ferramenta pedagógica.

Centro de Curitiba - PR.
Pirâmides Egípcias - Cairo /Egito
Gran Canyon - Estado do Arizona/EUA
O Google Earth foi lançado em junho de 2005, após a compra no ano anterior da empresa Keyhole, especializada em cartografia digital e fundada por McClendon. O software permite visualizar o planeta Terra, passear por ele, e teve o acréscimo de várias funcionalidades durante os anos, como cidades inteiras em 3D. Em um de seus recursos, pode-se comparar uma imagem de hoje com a de anos anteriores e poder assim, analisar as transformações do espaço geográfico.

Acredita-se que o processo de melhoria da qualidade do ensino passa, além de outros fatores, pela utilização das tecnologias na educação, adotando novas metodologias de ensino e aprendizagem.

Saiba mais



Share:

0 comentários:

Postar um comentário