domingo, 24 de março de 2013

Como surgiu a Lua?

Por Rafael Gama Vieira

Sabemos que a Terra possui um satélite natural, chamado Lua. Este satélite orbita nosso planeta em ciclos de aproximadamente 29 dias, passando por quatro fases: Cheia, Quarto Minguante, Nova e Quarto Crescente.

Mas, qual é a origem deste satélite? Como surgiu a Lua e quais os efeitos que ela causa em nosso planeta?

Os cientistas não têm certeza absoluta quanto à origem da Lua, porém a teoria mais aceita hoje é a chamada “Big Splash”. Segundo esta teoria, há aproximadamente 4 bilhões de anos (Período Hadeano) um objeto do tamanho de Marte denominado Theia colidiu com nosso planeta, fazendo com que parte dele fosse lançado no espaço. A colisão fez com que o planeta Theia vaporizasse completamente, assim como a atmosfera da Terra. Toda essa matéria deslocada forma anéis parecidos com os de Saturno que, após um longo tempo começa a obter uma forma esférica que fica presa no campo gravitacional Terrestre. Surge então a nossa Lua.

Agora a Terra e a Lua formam um sistema. Logo que nosso satélite foi formado ele estava mais próximo do planeta e isso fazia com que a velocidade de rotação dos dois fosse maior. Há mais ou menos 400 milhões de anos (Período Devoniano), a duração de um dia era aproximadamente 21h. Conforme a distância entre os dois aumenta, a velocidade de rotação diminui devido à conservação de momento angular. 

Hoje a Lua encontra-se a aproximadamente 385 mil Km da Terra, tendo como periélio a distância aproximada de 356 mil km e de afélio aproximadamente 406 mil Km. Tem aproximadamente 1/4 do tamanho da Terra e 1/6 da sua gravidade. 

Devido sua massa e distância da Terra, a Lua exerce uma força de atração sobre o planeta, causando então os efeitos de marés. Porém, não é apenas a Lua que causa este efeito, mas também a atração gravitacional exercida pelo Sol. Na figura 1 podemos ver como se formam as marés:

Figura 1: Maré Alta e Maré Baixa.

A Lua é o único astro visitado pelo homem até hoje. Em 1969 o astronauta Neil Armstrong, tripulante da Apolo 11 foi o primeiro homem a pisar em solo lunar. Esta missão fez parte das 73 realizadas na Lua, tanto pelos EUA quanto pela Rússia. Destas 73, apenas 6 foram tripuladas.

O site da revista National Geografic (http://books.nationalgeographic.com/map/map-day/) mostra um resumo de todas as missões espaciais realizadas até hoje.

Curiosidades

Crateras da Lua: Com um telescópio simples podemos olhar para a Lua e notar que esta é cheia de crateras. Estas crateras são causadas por impactos de meteoros que atingem nosso satélite a todo o momento. As crateras maiores foram formadas há cerca de 4 bilhões de anos, quando uma chuva de meteoros atingiu todo o Sistema Solar. Crateras semelhantes foram causadas nas luas de Júpiter e Saturno. 
Mas, porque isso acontece apenas com a Lua? Porque a Terra não possui diversas crateras como seu satélite natural? 

Isto acontece com a Lua porque esta não possui atmosfera. O planeta Terra possui em sua volta uma camada formada por diferentes gases, chamada camada atmosférica. Esta camada ajuda a proteger o planeta de objetos vindo de fora dele. Muitos destes corpos são destruídos antes mesmo de atingirem o solo. Como a Lua não possui esta proteção, acaba sendo atingida por meteoros que formam suas crateras.

O lado oculto da Lua: Não importa a época do ano e nem a hora, ao olhar para a Lua estaremos vendo sempre sua mesma face. Isto acontece porque o período de rotação da Lua é igual ao seu período de translação, ou seja, ao mesmo tempo em que translada a Terra ela também rotaciona sobre seu eixo, ficando sempre com o mesmo lado voltado para o planeta.

Como seria se os planetas do Sistema Solar estivessem no lugar da Lua? Na figura 2 vemos um exemplo de Saturno no lugar da Lua. Mais imagens podem ser vistas no site: http://noticias.uol.com.br/ciencia/album/2013/03/08/site-simula-como-seria-se-os-planetas-estivessem-no-lugar-da-lua.htm#fotoNav=6

Figura 2: Se Saturno  fosse posicionado no lugar da Lua.

Referências:

http://www.infoescola.com/astronomia

http://books.nationalgeographic.com

http://astro.if.ufrgs.br/lua

http://mundoestranho.abril.com.br





Share:

Um comentário: