quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Mulheres que mudaram o mundo - parte I!

Por Elaine Barbosa

A despeito dos séculos de submissão e desvalorização da figura feminina, a qual ainda persiste em algumas culturas, as mulheres tiveram um papel fundamental na sociedade. Mas, com o passar do tempo, conseguiram mostrar seu valor, conquistar direitos e assumir deveres em pé de igualdade com os homens. O texto a seguir apresenta algumas personagens de destaque do universo feminino, começando com um recorte histórico sobre o papel da mulher, passando por ícones de cada época e sua contribuição para a sociedade. Para maior compreensão, ele será dividido em três partes:


  1. A mulher na história, a convenção dos direitos políticos das mulheres e suas conquistas;
  2. Ícones femininos na história deusas gregas, filósofas, idade média – visão do antigo e novo testamento, idade moderna;
  3. Ícones femininos na história (idade contemporânea.


PRÉ-HISTÓRIA:

  • Marcada pela agricultura e sedentarismo, moradias fixas, domesticação de animais;
  • A mulher tinha a seus cuidados as crianças, fiar, moldar o barro para utensílios domésticos, aprimorar a agricultura;
  • Não existia o casamento: homens copulavam com todas as mulheres férteis e vice-versa;
  • Mulher não dominava, mas era muito importante pela fertilidade.


IDADE ANTIGA:

  • ROMA: mulher vista como alicerce fundamental da família e tinha o trabalho doméstico como uma virtude. Casamento era o centro da vida social. Três virtudes: gravitas (responsabilidade); pietas (obediência a autoridade) e simplicitas (razão);
  • EGITO: igualdade entre os sexos, as mulheres podiam intervir no patrimônio familiar e tinham como responsabilidade a tecelagem, ceifa do trigo e preparo da farinha e do pão;
  • GRÉCIA: não era permitido o acesso da mulher ao saber (período Clássico), era desvalorizada, vista como receptoras da semente masculina. Sujeita ao marido, à cozinha, ao bordar e a cantar. 


IDADE MÉDIA

  • Vai de 476 a 1453 – chamada de idade das trevas, numa referência à peste negra, às cruzadas, revoltas camponesas, cavaleiros, misticismo, bruxaria, dragões, etc. A economia era pautada pela atividade rural;
  • Com a imposição do celibato, a figura feminina é desvalorizada como estratégia. Eva foi  a grande responsável pelo pecado original, a causa e objeto do pecado, porta de entrada para o demônio (menos as virgens, casadas ou freiras). Consideradas criaturas débeis e suscetíveis às tentações do diabo, sendo assim, deveriam estar sempre sobre tutela masculina. A maior perseguição contra a mulher ocorreu nesta época com a chamada “caça às bruxas” – Período da Inquisição, no qual chegou-se a matar 3 mil mulheres em um único dia;
  • Baixa Idade Média (séc. XI ao XV – guerra contra muçulmanos por terras santas; expansão do domínio europeu; cruzadas; renascimento): a visão da mulher se transforma na figura da Virgem Maria e da renovação; Maria Madalena como arrependida dos pecados, casamento para reprodução humana. A mulher submetida aos pais e ao marido.


IDADE MODERNA

  • Vai de 1493 a 1789 (Da queda de Constantinopla à Revolução Francesa): Cristóvão Colombo descobre o Continente Americano; Vasco da Gama viaja até a Índia. Ocorre progresso comercial, literário, artístico e científico.
  • A mulher torna-se, no âmbito de seu lar, o alicerce da vida familiar, subjugada ao homem e à solidão dentro de casa. Aos homens cabia a vida externa e as amantes e, a esposa, a gravidez. 


IDADE CONTEMPORÂNEA


  • A Mulher ainda tinha grandes limitações em relação ao trabalho, não tendo acesso algumas profissões;
  • As mulheres casadas não podiam usar o seu patrimônio;
  • Em 08 de março de 1857, as operárias de uma fábrica de tecidos em Nova Iorque iniciaram uma grande greve, reivindicando melhores condições de trabalho, tratamento digno dentro, carga horária 10 h diárias (na época a carga horária variava entre 16h e 18h diárias) e equiparação salarial com os homens. As grevistas ocuparam parte da fábrica e este local foi trancado e incendiado premeditadamente. Cerca de 130 operárias morreram carbonizadas. Em 1910, numa Conferência na Dinamarca, a data passou a ser lembrada como dia de luta da mulher, mas somente em 1975 a ONU internacionalizou o dia 08 de março, que por fim, passou a ser o Dia Internacional da Mulher.


HISTÓRIA DA MULHER NO BRASIL

  • Brasil Colônia: mulher restrita ao ambiente familiar e doméstico. Subserviência ao marido;
  • Brasil Império: a mulher tem o direito ao ensino primário;
  • I e II Guerras: participação da mulher nas atividades produtivas e homens, no combate;
  • Séc. XX: retoma sua participação na sociedade, mostra ser tão capaz quanto os homens, sem deixar de realizar seus papéis de mãe, filha, esposa, amante e amiga. Passa a exigir mais nas qualidades masculinas, conquistam a licença maternidade, leis quanto o assédio sexual e, nas universidades, são a maioria.


CONVENÇÃO DOS DIREITOS POLÍTICOS DAS MULHERES

Alguns homens dizem que as mulheres atuais querem ser iguais a eles. Entretanto, elas buscam ser reconhecidas como seres humanos, terem seus direitos à vida, vez e voto respeitados. Mesmo diante de tantos avanços percebidos, em pleno século XXI, ainda existem lugares onde a mulher é vista e tratada como posse.

Na Conferência sobre Direitos Humanos realizada em Viena no ano de 1993, “as mulheres passaram a ser consideradas sujeitos de direitos, bem como tiveram seus direitos humanos reconhecidos como inalienáveis – como parte integral e indivisível dos Direitos Humanos Universais”. 

MARCOS DAS CONQUISTAS DAS MULHERES NA HISTÓRIA

  • 1788 - O político e filósofo francês Condorcet reivindica direitos de participação política, emprego e educação para as mulheres;
  • 1859 - Surge, em São Petersburgo, na Rússia, um movimento de luta pelos direitos das mulheres;
  • 1862 - Durante as eleições municipais, as mulheres garantem o direito de votar pela primeira vez na Suécia;
  • 1865 - Na Alemanha, Louise Otto cria a Associação Geral das Mulheres Alemãs;
  • 1866 - No Reino Unido, o economista John S. Mill escreve exigindo o direito de voto para as mulheres inglesas;
  • 1869 - Cria-se, nos Estados Unidos, a Associação Nacional para o Sufrágio das Mulheres;
  • 1870 - Na França, as mulheres passam a ter acesso aos cursos de Medicina;
  • 1874 - Criada no Japão a primeira escola normal para moças;
  • 1878 - Criada na Rússia uma Universidade Feminina;
  • 1901 - O deputado francês René Viviani defende o direito de voto das mulheres.
Share:

0 comentários:

Postar um comentário