segunda-feira, 28 de outubro de 2013

De olho nas metrópoles!

Por Eduardo Cordeiro Uhlmann

O Observatório das Metrópoles é um grupo que reúne mais de cem pesquisadores de dezenas de instituições dos campos universitários, governamental e não governamental sob a coordenação geral do IPPUR - Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

O Observatório desenvolve pesquisas sobre 14 metrópoles e uma aglomeração urbana: Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte, Curitiba, Goiânia, Recife, Salvador, Natal, Fortaleza, Belém, Santos, Vitória, Brasília e a aglomeração urbana de Maringá.

São quatro as linhas de pesquisa:


  • Linha I – Metropolização, dinâmicas intrametropolitanas e o território nacional;
  • Linha II – Dimensão sócio-espacial da exclusão/integração nas metrópoles: estudos comparativos;
  • Linha III – Governança urbana, cidadania e gestão das metrópoles;
  • Linha IV – Monitoramento da realidade metropolitana e desenvolvimento institucional.

O Núcleo da Região Metropolitana de Curitiba do observatório publicou em 2009 o livro “Dinâmicas Intrametropolitanas e Produção do Espaço na Região Metropolitana de Curitiba”, organizado por Olga L C F Firkowsky e Rosa Moura.

Dentre as várias análises apresentadas, um capítulo é intitulado: “Movimento pendular para trabalho na Região Metropolitana de Curitiba: uma análise das características de quem sai e de quem fica, em que Marley Vanice Deschamps e Anael Cintra analisam os deslocamentos pendulares para trabalho e estudo em associação com indicadores socioeconômicos, de forma comparativa entre a população que se desloca e aquela que permanece no município.

Segundo os autores, este estudo é importante para a análise dos processos de metropolização e identificação dos principais vetores da expansão urbana, porque o movimento pendular se concentra em aglomerações urbanas em que é possível identificar os processos seletivos de uso e ocupação do espaço, com a separação dos locais de residência e de trabalho.

A migração pendular está associada às aglomerações urbanas intensificadas pela migração interna e na Região Metropolitana de Curitiba observa-se um maior crescimento das áreas periféricas em detrimento das áreas centrais (fato observado em todas as grandes aglomerações urbanas do país).

REFERÊNCIAS

Dinâmicas intrametropolitanas e produção do espaço na Região Metropolitana de Curitiba / Rosa Moura e Olga Lucia C. de F. Firkowski (Organizadoras). – Rio de Janeiro: Observatório das Metrópoles : Observatório de Políticas Públicas Paraná; Curitiba: Letra Capital Editora, 2009
Share:

0 comentários:

Postar um comentário