quarta-feira, 30 de julho de 2014

DIECAST – COLECIONISMO DE MINIATURAS DE VEÍCULOS: GASTO OU INVESTIMENTO?

Por: Ednilson Rotini

Figura 01: Miniatura de um VW Fusca 1961. Fonte: VW Boxer Art

COLECIONISMO

Talvez você que está lendo esse texto, já deve em algum momento de sua vida ter colecionado algum tipo de objeto. No mundo, milhões de pessoas colecionam os mais variados objetos como autógrafos, bonecas, calendários, figurinhas, cartões telefônicos, moedas, cédulas, cartões postais, selos, livros, tampinhas, bonés, esqueletos, sapatos, miniaturas de carros, entre tantos outros.


Figura 02: Coleção de Latinhas. Fonte: Mercado Livre


Figura 03: Coleção de Girafas.  Fonte: Girafamania

Figura 04: Coleção de Violas Caipiras. Fonte: Cultura Caipira

A prática que as pessoas têm de guardar, organizar, selecionar, trocar e expor diversos itens por categoria, em função de interesses pessoais é denominada colecionismo.

Historicamente, em diversos momentos do desenvolvimento do homem, uma série de indivíduos, em diferentes locais preocupou-se em guardar e armazenar objetos com o objetivo de preservá-los. Essa prática foi muito importante, pois sem ela não teríamos o conhecimento que temos do nosso passado. Os grandes acervos pelo mundo a fora iniciaram, na grande maioria, a partir de pequenas coleções particulares.

A prática do colecionismo dura certo tempo na existência do colecionador, que pode ser muitos anos e, às vezes, a vida inteira. A faixa etária dos colecionadores varia desde a infância até a terceira idade e, para cada colecionador, as coleções apresentam diferentes formas de prazer e satisfação. Para alguns, o que vale é a quantidade, para outros, a variabilidade ou ainda, o que importa é exclusividade e a raridade dos objetos colecionados.

Muitos acreditam que o colecionismo é uma prática elitista, o que não é verdade, pois pode-se construir uma coleção de acordo com o bolso de cada colecionador. Colecionadores mais antigos sugerem que deve-se iniciar uma coleção de forma bem simples, sem preocupação financeira. Aos poucos a coleção vai crescendo, tomando forma e, caso, o colecionador queira, poderá aumentá-la de acordo com suas possibilidades. O colecionador propriamente dito não tem por objetivo o lucro, uma vez que seu investimento se baseia na aquisição de conhecimentos, o que faz com que ele torne-se, ao longo do tempo, um especialista em sua área.

DIECAST

Entre os diversos tipos de coleções será dado destaque neste texto ao colecionismo de miniaturas de veículos, chamado de Diecast. Esse nome é atribuído popularmente aos modelos de veículos em miniaturas confeccionados em metal injetado nas mais diversas escalas. Também é conhecido como diecasting, nome derivado do processo de fundição injetada.

Figura 05: Miniatura de Ford F-100.  Fonte: Diecas Lovers

Desde muitos anos, várias marcas oferecem esse tipo de miniaturas que, na maioria das vezes, são réplicas de carros verdadeiros antigos e novos, mas também podem ser criações de designers que usam de sua imaginação para criar veículos diferenciados. Entre as principais marcas mundiais estão Greenlight, Matchbox, Maisto, Hot Wheels, Johnny Lighting, Jada e Kyosho que produzem miniaturas principalmente nas escalas 1:18, 1:24 e 1:64.

O processo de fabricação do diecast é feito a partir de uma liga de metal fundido que é injetada em alta temperatura em um molde, sendo retirada para obtenção do produto final depois de solidificada. Essa técnica é usada, pois é a mais adequada para a produção de grandes quantidades de peças idênticas e que necessitam de certo grau de precisão em relação aos detalhes. O zinco é um dos materiais mais usados neste processo, principalmente em combinação com outros elementos químicos como cobre, alumínio, magnésio e níquel formando ligas variadas conhecidas como zamac. 

O Brasil é o terceiro maior mercado consumidor mundial de miniaturas de veículos, ficando atrás somente de Estados Unidos e Japão. Entre os brasileiros, a fabricante que mais atrai o público é a americana Mattel, que produz a popular série Hot Wheels. Essa série foi lançada pela primeira vez em 1968 nos Estados Unidos com 16 veículos. Inicialmente, a Mattel tinha o objetivo de alcançar o público infanto-juvenil, mas com o passar do tempo, adolescentes e adultos colecionadores do mundo todo também começaram a interessar-se por essa linha. 


Figura 06: Logo da Hot Wheels. Fonte: Hot Wheels

Atualmente, no Brasil, são mais de um milhão de colecionadores de miniaturas da Hot Wheels que compram, vendem, trocam e participam de clubes e de convenções no intuito de aumentar suas coleções ou de adquirir alguma peça rara ou exclusiva. Vale ressaltar que a expansão deste mercado no país se deu principalmente no início da década de 90, graças à liberação das vendas de produtos importados. 

Assim, o que era apenas uma brincadeira, virou algo sério e que vem atraindo cada vez mais adeptos pelo mundo todo.


REFERÊNCIAS


Site Girafamania. Acesso em 2014. Disponível em: http://www.girafamania.com.br/introducao/colecao.html

Site Colecionismo. Acesso em 2014. Disponível em: http://www.colecionismo.com.br/outras/miniaturismo/materias/materia003/index.htm

Site de notícias Veja SP. Acesso em 2014. Disponível em: http://vejasp.abril.com.br/materia/motoristas-de-brinquedo

Site t-hunted.blogspot. Acesso em 2014. Disponível em: www.t-hunted.com.br

Site Hotweels. Acesso em 2014. Disponível em: http://www.hotwheelsbr.com/

Share:

0 comentários:

Postar um comentário